O Largo da Portagem de Coimbra, do Joaquim António de Aguiar – Mata Frades assente em jardins não escanhoados, continua a albergar um Banco de Portugal. “Olha os gregos a assaltarem os bancos”, anunciava hoje uma alta (em saltos, pois…) funcionária de uma outra banca que, em asno regozijo, mostrava imagens no seu telemóvel maior do que o livro de bolso que não lê, o boletim de voto dobrado que não assinala ou a palma da mão que não estende. A democracia não pára de nos creditar esperança; os tempos (as pessoas?) não param de debitar-nos esperança.

A fotografia é do pai do Rui Pato. 

Anúncios